A musculação não foi inventada agora 13


As referências da história ajudam-nos a compreender algumas coisas do presente. Por isso, sem querer ser saudosista nem exaustivo, vou mencionar alguns factos, algumas estórias que julgo serem importantes para compreendermos melhor porque é que em 2006 há muitas marcas de equipamentos desportivos e suplementos alimentares, porque é que existem tantos profissionais a venderem produtos e serviços nos ginásios e porque é que surgiram tantos inventores das mais variadas metodologias de treino, de organização de aulas de grupo e outras coisas tais.

Aquilo que nos parece inovador na actualidade, é na maioria das vezes a revitalização de um método ou produto antigo. Uma nova imagem juntamente com modernas técnicas de marketing que nos tentam transmitir a imagem de inovação e criação modernas.

Os feitos de força sempre foram apreciados na nossa civilização. Nem me preocuparia em falar-vos da Antiga Grécia se não fosse atribuído a Milo de Creta (558AC) o registo de ter reconhecido o Princípio da Sobrecarga. Para desenvolver o seu corpo, carregava um jovem touro, um pequeno animal às suas costas para se exercitar. Consoante o animal ia crescendo, também o seu corpo se ía desenvolvendo por resposta ao estímulo progressivamente mais exigente.

4 Séculos A.C. Uma ilustração de um mosaico da Piazza Armerina, apresenta mulheres vestidas numa espécie de bikini, exercitando-se com halteres.

Segundo séc. A.C., o médico Galen, publica na Grécia os seus pensamentos sobre os benefícios terapêuticos do exercício no De Sanitate Tuenda. Nesta publicação ele discutia entre outras coisas a utilização dos halteres e de uma variedade de exercícios de saltos. Serviu de base para outros textos de vários autores até ao séc. XIX.

1544, o educador alemão Joachim Camerarius publica Dialogues des Gymnastica, contendo referencias ao treino com pesos.

18??, Gustav Zander criou uma linha de máquinas de musculação, recomendando um método similar ao de Kellogs (ou Kellogs tinha um método similar ao de Zander?).

1847, Hippolyte Triat, um antigo homem forte dos espectáculos de vaudeville, abriu um ginásio em Paris, como resposta ao crescente interesse pelo exercício físico. Este Ginásio Triat é significativo pois figura como um dos primeiros ginásios a cobrar dinheiro para admitir sócios, tinha quotas diferentes para homens, mulheres e crianças: de 31 francos por.

1841, Sir George Williams criava a YMCA em Londres numa tentativa de substituir a vida das ruas pelo “estudo da Bíblia e a oração”. Esta organização difundiu-se nos EUA como a percursora dos ginásios que conhecemos na actualidade. Todavia funciona como forte organização comunitária, tendo os ginásios como forte pólo dinamizador.

Eugene Sandow era um artista que realizava demonstrações de força por toda a América, acabando por abrir vários clubes destinados à actividade física depois de se ter retirado dos palcos.

O Professor Louis Attila também era um famoso artista e empresário, tinha um ginásio em Nova Iorque que se tornou num local utilizado por grandes levantadores de peso e pessoas famosas da época.

Madame Brennar, que dirigia um ginásio em Londres onde as mulheres utilizavam calças nas suas sessões de treino, utilizava barras com bolas e halteres nas suas sessões de treino. Escreveu um livro: Madame Brennar’s Gymnastics for Ladies, A Treatise on the Science and Art of Calisthenics and GymnasticExercises.

Ou seja, no século XIX, havia aulas de grupo com barras e halteres e já havia ginásios.

As primeiras referências às barras, são de 1860.

1864, John Blundell’s publica The Muscles and Their Story.

1866, abria o Battle Creek Sanitarium inicialmente chamado de Western Health Reform Institute, baseado nos princípios de saúde advogados pela igreja adventista do sétimo dia. Em 1876, o Dr. John Harvey Kellogg tornou-se o superintendente, construindo uma instalação renovada em 1878. Nesta enorme estrutura, as pessoas exercitavam-se e perdiam peso à custa de utilizar clisteres, comer o suplemento alimentar da época: corn flakes, e exercício realizado com máquinas ou em aulas de grupo. Era ainda utilizada terapia de pequenos choques eléctricos para estimular o corpo. Esta impressionante estrutura poderia ser chamada hoje de SPA. Em 1994 foi realizado o filme The Road to Wellville, que retrata as práticas de Kellogg no Sanatorium.

1895 John Harvey Kellogg, o médico que criou os Cornflakes, escreveu um documento intitulado “A Arte da Massagem”. Este documento sugeria um tipo de musculação de execução lenta (oito segundos a levantar o peso), mas também recomendava uma boa técnica de execução sem bloqueios de respiração, etc. Também referia que o objectivo da recreação não era fortalecer os músculos, mas sim regular a circulação.

1898, surge a Sandow Magazine.

No final do séc. XIX, pode dizer que surgem movimentos próximos do actual culturismo. Louis Attila, Eugene Sandow e Charles Samson, participavam em exibições de poses.

No séc XX, as barras de carregar discos, rapidamente ultrapassaram em popularidade as kettlebells, as Indian club, juntando-se aos halteres como uma das ferramentas preferidas de quem se exercitava com pesos. E apesar da criação de máquinas sofisticadas nos últimos anos, continua a ser dos instrumentos mais vendidos.

As barras de carregar discos, da forma como nós as conhecemos, surgiram na segunda metade do século 19, mas anteriormente existiam as barras e halteres de bolas.

1901, Theodore Siebert da Alemanha, começou a comercializar a sua barra universal de carregar discos (Siebert’s Universal-Scheibenstange).

1902 era criada a Milo Barbell Company.

1904, Ms. Beatrice Marshall e Al Treolar realizam uma rotina de poses como vencedores do concurso “The Worlds Most Perfectly Developed Man and Woman”

Joseph Hubertus Pilates, criava nos anos 20 um método de exercício e máquinas, que foram revitalizados na actualidade: Pilates.

Anos 20, Os espectáculos de vaudeville onde actuavam os homens fortes, foi sendo alterado com inclusão de acrobatas e figuras humanas. Muitos acrobatas e ginastas praticavam os seus movimentos em Santa Mónica, California e no final dos anos 30 esse local ficou conhecido como Muscle Beach.

No início do século 20 surge o expansor do peito.

1928, Kaspar Berg introduziu a primeira barra olímpica. Utilizadas pela primeira vez nos Jogos Olímpicos de Amesterdão, foram então copiadas pela Tork Barbell Company e pela Jackson Barbell Company e vários outros fabricantes.

Josef Weider aparece nos anos 30, criou a sua primeira revista e vendia halteres por correspondência.

193?, Charles Atlas populariza métodos isómetricos.

Um dos grandes proponentes modernos da saúde da mulher foi Jack LaLanne, que conquistou a televisão com o seu programa Jack LaLanne show de 1956-1970 (um dos programas de exercício físico com mais sucesso de sempre na TV). Abriu o seu ginásio em 1936 e por volta de 1982 tinha cerca de 200 nos EUA.

Se LaLanne conquistara a tv, Jane Fonda, a criadora da aeróbica, conquistava o vídeo.

Nos anos 60 as máquinas vibratórias eram muito populares.

Anos 60, Arthur Jones introduziu equipamentos de musculação altamente especializados, bem como um método de exercitação inovador, que viria a revolucionar o fitness. Criou a Nautilus.

Nos anos 80 o culturismo torna-se muito popular com o filme protagonizado por Arnold Schwarzenegger, intitulado: Pumping Iron.

O treino com pesos já vem da antiguidade, os seus benefícios foram popularizados por médicos, artistas de circo e professores. Algumas destas pessoas tentaram ganhar dinheiro com isso e outros até incorreram em charlatanices, chegando ao ponto de venderem produtos, instrumentos que nem eles próprios utilizavam para melhorar o seu corpo. Eugene Sandow e Charles Atlas foram disso exemplo.

O aparecimento de certos meios de comunicação: primeiro os livros, depois as revistas, a televisão em directo, o vídeo, e agora a Internet, permitiram a difusão de práticas e conhecimentos que nos séculos anteriores faziam parte de um círculo restrito de pessoas. No entanto, também trouxeram a necessidade de filtrar a informação para que seja facilmente aplicada por pessoas comuns sem grandes conhecimentos de biologia e anatomia.

Continuamos a utilizar ferramentas muito antigas que continuam a dar bons resultados e as inovações significativas têm sido poucas em termos de funcionalidade. Ocorrem ao nível do design estético e desenvolvem-se na actualidade meios tecnológicos que ajudam na dissociação cognitiva de quem pratica actividade física dentro do ginásio.

Molas, sapatos de ferro, barras de torção, e outros instrumentos, surgiram há largos anos atrás, mas continuam a ser vendidos tal qual existiram pela primeira vez, ou então, sofreriam um novo design que lhes permite voltar a ganhar popularidade.

Actualmente, os Indian Clubs (massas indianas) e as kettlebell estão a ser revitalizadas apesar de serem ferramentas com mais de um século.

Clubes e SPAs que sempre existiram nas mais variadas formas e dimensões, incluindo actividades que continuam a fazer parte dos ginásios actuais: personal training, musculação, aulas de grupo com ou sem aparelhos, Pilates ou Feldenkrais, são apenas alguns exemplos.

Até os suplementos alimentares já vêm de longa data e para recordar, hoje em dia, alguns são simples alimentos de supermercado como os Corn Flakes ou as bolachas com l-carnitina.

Até os reis Eduardo VII e George V de Inglaterra já tinham o seu personal trainer.

Alguns dos princípios em que no baseamos na actualidade foram formulados por pessoas como Hipócrates que dizia: aquilo que se utiliza, desenvolve-se e o que não se utiliza, perde-se.

Estas poucas referências históricas, servem só para recordar que o fitness não é recente nos seus métodos, conteúdos e ferramentas, mas que as formas de comercialização e comunicação se tornaram capazes de lhes dar uma nova dimensão. Cabe aos profissionais e utilizadores dos ginásios filtrar a informação e fazer escolhas com bom senso e com menos influência de modas impostas por pseudo-criadores.

Mais informações históricas também podem ser encontradas no site do Eduardo Fonseca.

Referências:


13 thoughts on “A musculação não foi inventada agora

  • Pingback: Links | Curso de Personal Trainer

  • rosecler

    onde surgiu a musculaçao exatamente ,e onde è praticado a musculaçao,qual è o objetivo das atividades da musculaçao mim responda obrigada…

  • NUNO CAMILO

    AMIGO PAULO CONTINUAS A SURPREENDER COM AS TUAS EXAUSTIVAS PESQUISAS.UM GRANDE ABRAÇO E CONTINUA A DAR-NOS O TEU CONTRIBUTO.

  • Paulo Sena

    Olá,

    Pode ler este pequeno texto: http://paulosena.com/2009/02/21/fitness-e-wellness/
    Mas parece-me que o seu problema é uma questão de marketing (comunicação com o seu mercado). Deve escolher as palavras não só de acordo com a moda mas de acordo com a forma como o seu público identifica um ginásio. Será mais importante usar a palavra “ginásio”, “centro de fitness”, “gym”, “fitness center”. Acho que tudo depende da percepção do potencial cliente do seu ginásio. Se eu colocar um sinal a 200m de um restaurante que diga: “reastaurante na próxima rua à direita”, todo o mundo identifica o que é um restaurante. Mas se em vez disso eu colocar: “casa da tia Micas na p´roxima rua à direita”, nem todos identificam como um restaurante. No entanto pode ser o nome de um restaurante.
    Espero ter ajudado.

  • Tiago Emanuel

    Caro Professor Paulo Sena, meu nome é Tiago Emanuel, sou do Paraná, tb sou professor de Ed. Fisica.. Estou montando uma academia de musculação em breve e gostaria de te pedir uma opinião : seguido do nome da academia quero por na frente Fitness , vi no dicionario em inglês e vi que Fitness Significa Preparação, é isto mesmo…. Se poder me responder ficarei mt grato…

    Abraço

    Email: tiagoelm@hotmail.com

  • ANTONIO BARRETO DA SILVA

    Caro proº. Paulo Sena, meu nome é Antonio, assim como vc também sou da área de Ed. Física. Na verdade estou concluindo o curso no proximo ano(2007).Preciso de ajunda para definir melhor minha monografia que é na area de Musculação. Meu tema está relacionado ao elevado numero de jovens entre 13 e 17 anos que frequentam as academias em minha cidade (Frei Paulo -SE). Vc poderia me ajudar na definição dos objetivos e na revisão bibliográfica. ficarei muito grato. Obrigado.

    E-Mail: tonny.silva@bol.com.br

  • Paulo Sena

    Os corpos dos culturistas actuais estão cheios de interacções de medicamentos. Com isto não quero dizer que não sejam muito fortes, que não treinem muito ou que não tenham genética. Sim, têm.

    Quando temos um bom potencial para o aumento de força, é mais fácil atingir boas performances ao nível funcional. Mas se pretendemos vencer num concurso estético de beleza ou culturismo, então temos de nascer com determinadas proporções e um potencial para o desenvolvimento de força que nos dê grandes probabilidades de sermos bem sucedidos.

    No entanto, creio por experiência que a maioria das pessoas saudáveis serão capazes de conseguir fazer agachamento com o peso do próprio corpo durante uns 90 segundos, supino com 60 a 70% do peso do corpo durante um minuto e peso morto com o peso corporal durante mais de um minuto. São apenas referências possíveis após 3 ou 4 anos de treino de musculação intenso durante 30-40 minutos 2-3 vezes por semana. Posso também dizer que aqueles com mais potencial façam algo melhor e estes registos poderão ser conseguidos por pessoas que trabalham das 9 às 5 e vivam uma vida normal, sejam saudáveis e tenham entre os 20 e os 40 anos de idade.

    É possível conseguir muito bons resultados e a prova disso é que a história regista bons resultados. Pode verificar em algumas fotos nestes sites e nos links que tem no motor-humano (e não se esqueça que o Arnold aparece na fase do boom dos anabolizantes nos anos 60; diz-se que estes surgiram nos anos 40; é possível que as fotos das pessoas fortes antes dessa época sejam na sua maioria de gente geneticamente dotada, mas creio que também há muitos que eram gente comum que iniciou um trabalho contra resistências adicionais e que até então pouca gente tinha realizado esse tipo de trabalho com vista ao desenvolvimento físico):

    http://www.sandowmuseum.com/musclechampsone.html
    http://www.sandowplus.co.uk/

    Por último, aconselho a leitura da entrevista ao Sérgio Oliva: http://paulosena.wordpress.com/2006/08/03/entrevista-interessante-com-sergio-oliva/

  • francisco

    Estou iniciando na musculação. Tenho curiosidade de saber se respeitando a genetica,disciplina, alimentação,etc, mesmo a longo prazo é possivel chegar a um fisico do porte de Arnold Schwarzenneger? Na antiguidade os atletas chegavam e ter tal porte fisico? Não existiam os anabolizante e esteroides de hoje mas por exemplo nas esculturas gregas há alguns exemplos (Hercules) de fisico de musculos exepcionais. Se tal tipo de fisico era conhecido (ou imaginado)com que tipo de alimentação os praticantes de musculação/culturismo (ou seu precursores) na epocas pré anabolizantes chegavam a tal desenvolvimento muscular? Ou não havia então tal desenvolvimento nessas eras? Por favor me responda via e-mail, ou me de um caminho para elucidar essa curiosidade.
    Grato!

  • Pingback: Artigos de opinião « The dojo

Comments are closed.