Análise Fatorial Confirmatória do Exercise Motivation Inventory-2 (EMI-2) e Validação de uma Versão Reduzida

Paulo Sena, Susana Alves, Pedro Baptista, Teresa Bento, Luís Cid e João Moutão
Paulo Sena, Susana Alves, Pedro Baptista, Teresa Bento, Luís Cid e João Moutão

Atualmente surge, cada vez mais, uma necessidade de compreender quais as razões para o baixo número de praticantes de exercício físico na União Europeia, sendo que a percentagem de praticantes de exercício físico com regularidade encontra-se um pouco abaixo dos 30%. No seguimento deste raciocínio, centra-se assim uma enorme curiosidade em desvendar como se poderá compreender os motivos para esta pouca prática na população do velho continente ou, até, qual o motivo que direciona, de um forma mais preponderante, o praticante de exercício físico a fazer tal atividade.

       O Exercise Motivation Inventory 2 é um instrumento validado em vários países e para várias línguas e tem sido um dos principais questionários a ser utlizado para desvendar quais os principais motivos para a prática de exercício, sendo assim direcionado para o contexto dos ginásios. Este instrumento foi criado em 1997 por Ingledew e Markland e é uma versão melhorada de um Exercise Motivation Inventory que se apresentava como um instrumento debilitado, tendo sido acrescidos dois motivos e validado no seu construto. Este novo instrumento é composto por 51 itens, 14 fatores e 5 dimensões (motivos psicológicos, motivos interpessoais, motivos relacionados com o corpo, motivos de condição física, motivos de saúde), foi validade em termos da sua invariância entre vários grupos como o género e o fato de ser praticante ou não praticante. Tendo em conta estes aspetos pode-se referenciar este questionário como bastante abrangente (avalia vários motivos e vários grupos diferentes) e internacional (aplicável em vários países e línguas).

Pode-se assim afirmar que esta problemática demonstrada na União Europeia pode ser combatida e estudada recorrendo a este questionário, desvendando-se assim duas principais problemáticas na sua aplicação que se transformam nas hipóteses dos dois estudos que compõem esta tese: validação através de uma análise fatorial confirmatória para a população portuguesa e necessidade de redução da extensão do questionário de forma a torna-lo mais fácil e rápido de aplicar.

O primeiro estudo tem como objetivo validar o Exercise Motivation Inventory 2 numa versão orientada para a população portuguesa. Este questionário é constituído por 5 dimensões, 14 fatores e 51 itens. Esta validação é feita por intermédio de uma Análise Fatorial Confirmatória à estrutura apresentada no questionário do EMI-2, tendo em conta os valores de ajustamento do modelo e a aproximação destes aos parâmetros sugeridos pelos autores de referência (CFI e NNFI ≥ .90; RMSEA ≤ 0.06; SRMR ≤ .08). Para este estudo foi tida em conta uma amostra de 2266 indivíduos praticantes de fitness, de ambos os géneros, com uma média de idades de 35.95 anos (± 13,08). Para validação deste questionário foi necessário dividi-lo por dimensões e fatores para aplicar uma AFC de forma aos parâmetros se ajustarem, também foi necessário ajustar alguns pesos fatoriais e igualar a variância em alguns erros associados aos itens para ajustar fatores mais problemáticos, bem como a criação de correlações. Por fim pode-se afirmar que os valores retirados das AFC feitas aos fatores aceitam-se de forma separada, concretizando-se assim o objetivo deste estudo apesar de ser necessário salientar alguns itens e fatores problemáticos que poderiam ser eliminados.

No segundo estudo o objetivo foi criar uma nova versão do Exercise Motivation Inventory-2p. Este objetivo surge após se verificar a extensão deste questionário (é constituído por 5 dimensões, 14 fatores e 51 itens) para a aplicação no contexto do ginásio, perdendo assim alguma da sua utilidade e qualidade. Para este estudo foi tida em conta uma amostra de 2266 indivíduos praticantes de fitness, de ambos os géneros, com uma média de idades de 35,95 anos (±13,08). Esta redução é baseada na seleção dos itens mais fortes dentro de cada fator, previamente analisado através de uma Análise Fatorial Exploratória, de onde surgiria uma versão de apenas 3 fatores e 14 itens. Seguido de uma Análise Fatorial Confirmatória à estrutura apresentada nesta nova versão do questionário do EMI-2p, tendo em conta os valores de ajustamento do modelo (CFI, NNFI, SRMR, RMSEA, RMSEA IC 90%) e a aproximação destes aos parâmetros sugeridos pelos autores.    Para que seja possível esta redução foram experimentados 4 modelos diferentes com os itens previamente selecionados, após uma AFC verificou-se a necessidade de analisar os fatores em separado, chegando assim à conclusão de ser possível efetuar a redução do EMI-2p mantendo-se a sua consistência e o que pretende avaliar.

Como conclusão destes estudos tenho a referenciar que este tipo de análises nem sempre é fácil, sendo necessário enumeras tentativas na utilização do software AMOS 20.0 de forma a que os valores de corte aceitáveis sejam atingidos. Apesar de apresentar algumas reservas relativas a alguns valores apresentados no primeiro estudo posso afirmar que os objetivos foram atingidos e que agora a população portuguesa detém mais um instrumento que possa avaliar os cinco principais motivos e os respetivos catorze motivos nele inseridos e outro novo instrumento que consegue avaliar catorze sub-motivos de uma forma mais rápida.

Recomenda-se, contudo, mais investigação nesta área que tem imenso por onde desenvolver e um mercado excelente a explorar. Também se recomenda que um Psicólogo do Exercício consiga o seu espaço no ginásio de forma a conseguir intervir com os clientes do ginásio e colaborar com os instrutores e restante staff que o compõem. Para além destas recomendações, é importante referir que este questionário (versão reduzida do EMI-2p) deverá ser aplicado e que seja feita uma nova AFC de forma a compreender se há alterações nos valores de corte tendo em conta a análise feita nestes estudos.

Em termos práticos, este questionário poderá ser extremamente útil nos ginásios de forma a compreender os motivos que levam o cliente ao ginásio, tal como será fundamental transformar essa compreensão numa nova forma de intervenção junto do mesmo. A aplicação deste questionário poderá ser feita no momento da avaliação física inicial do cliente, onde o Psicólogo do Exercício, que estiver afiliado ao ginásio, poderá ter uma breve intervenção e aplicar o questionário para desvendar os motivos que levam o cliente a estar onde está no preciso momento.

Pedro Baptista

pedro_paluxa@hotmail.com

Mestre em Psicologia do Desporto e Exercício pela ESDRM.

Luís Cid

luiscid@esdrm.ipsantarem.pt

Professor Adjunto no Instituto Politécnico de Santarém

João Moutão

jmoutao@esdrm.ipsantarem.pt

Professor Adjunto no Instituto Politécnico de Santarém

Motivos para a Prática de Exercício: tradução e validação do Goal Content for Exercise Questionnaire

Hugo Louro, Paulo Sena, Susana Alves, Luís Cid, Eduardo Ramos e João Moutão
Hugo Louro, Paulo Sena, Susana Alves, Luís Cid, Eduardo Ramos e João Moutão

O estudo da motivação para o exercício físico tem obtido um incremento de investigação nos últimos anos. Entre as teorias mais utilizadas, encontra-se a Teoria da Autodeterminação uma das mais importantes devido à sua aproximação com a prática, flexibilidade e fiabilidade. Dentro da Teoria da autodeterminação encontra-se a subteoria do conteúdo dos objetivos que carateriza o conteúdos dos objetivos para a prática de atividade física como intrínsecos ou extrínsecos.

Funciona como potenciador do crescimento pessoal dos praticantes, aumenta a satisfação pessoal e o bem-estar e culmina com o crescimento da indústria.

Esta investigação centra-se na tradução, adaptação e validação do Goal Content for Exercice Questionnaire para a população portuguesa e analisar a orientação do conteúdo dos objetivos dos praticantes portugueses de atividade física.

O GCEQ vem colmatar a ausência de instrumentos científicos nesta área e incrementar a oferta de instrumentos para o combate às barreiras e desistências, mas sobretudo à satisfação dos praticantes de atividade física em ginásios.

Na prática de exercício o conteúdo dos objetivos é fundamental para o entendimento dos reais valores do cliente face á execução e inscrição nos ginásios e para a análise pessoal e relacional.

Esse questionário para além da classificação dos objetivos categoriza anda os objetivos por fatores Intrínsecos (Afiliação Social, Manutenção da saúde e Desenvolvimento de capacidades) e fatores extrínsecos (Imagem corporal e reconhecimento de capacidades).

Permite ainda a redefinição da prática de exercício para os reais objetivos, ou seja, com estes dados obtemos uma aproximação da perceção de realidade pretendida com o “eu real”. Permite então claramente benefícios na satisfação, bem-estar, resultados ao nível do relacionamento e obtenção de resultados de forma eficiente.

Participaram no estudo 389 indivíduos praticantes de fitness (n = 171 masculino 44%, n= 218 feminino 56%), com idades compreendidas entre os 11 anos e os 75 anos de idade (M = 31.4; DP = 11.15) que frequentavam ginásios no Norte e Centro de Portugal (Aveiro 46 %; Porto 21 %; Castelo Branco 13 %; Viseu 9 % e Leiria 11 %).

Envolvidos em atividades de Cardiofitness (n = 186, 48%,) Musculação (n = 117, 30%) e Aulas de grupo (n = 85 ou seja 22 %).

Foi utilizado a versão preliminar portuguesa do Goal Content for Exercice Questionnaire (GCEQ) (Sebire et al., 2008) que se revela um questionário de 20 itens de medida que atesta a importância que as pessoas colocam nos seus esforços e na sua prática de atividade física.

Os principais resultados permitem antecipar uma relação entre o género e os motivos de afiliação social e desenvolvimento de capacidades (vocacionadas com a motivação intrínseca).

A relação entre a idade e o fator saúde indica que um dos principais fatores de adesão e manutenção na prática desportiva é a preocupação com a saúde, bem-estar e qualidade de vida.

Relativamente ao grupo de modalidades, essa escolha efetuada pelo praticante é baseada na perceção de competência sobre a realização de atividades de fitness (própria ou introjetada por terceiros).

Verificamos assim a importância da avaliação do conteúdo dos objetivos para uma máxima rentabilização de recursos, avaliação correta e coerente do real objetivo face à prática de atividade física e retenção de dados que podem ter valor da planificação de aulas e atividades.

Mas na realidade qual a implicação prática destes resultados e investigações?

Com os resultados demonstrados desta investigação e suporte na bibliografia podemos considerar extremamente importante a regulação comportamental nos ginásios e este aspeto é essencial na análise da motivação dos praticantes para a adesão e manutenção dos clientes.

Assim de forma mais prática iremos abordar e refletir sobre os processos em que a análise e avaliação do conteúdo dos objetivos possui influência na adesão e manutenção dos praticantes de forma faseada, demonstrando também a importância da Psicologia associada ao exercício físico.

  • Analisar e avaliar o praticante em relação ao contexto (ginásio):
    • Objetivos da prática;
    • Modalidades preferidas;
    • Informação básica (pessoal, experiências de prática)
  • Elaboração de planos ajustados aos dados recolhidos (objetivos, modalidades) em consonância com os instrutores, cliente e restante staff se necessário:
    • Explicação dos objetivos do plano de treino, do caminho a prosseguir.
    • Permitir ao cliente participar no desenho do plano de treino (autonomia, satisfação e responsabilidade)
    • Elaboração e implementação do plano de treino;
    • Objetivo a curto, médio e longo prazo a atingir;
    • Intervenção regular, assertiva e acompanhada ao nível da comunicação dos instrutores;
  • Adaptação do contexto ao objetivo do cliente:
    • Grupos de prática por conteúdo dos objetivos;
    • Definição de objetivos individuais por grupos de modalidade, por aula e por instrutor;
    • Avaliação constante dos objetivos e do plano traçado inicialmente;
    • Gravação de aulas para confrontação com os objetivos e plano traçado;
    • Promover a identificação com a prática e com o ginásio (reforço e valorização do esforço, das necessidades e dos objetivos)
    • Proporcionar o cumprimento do plano de objetivos.

Assim conseguimos afirmar que o conteúdo dos objetivos do cliente é proporcional com a realidade encontrada na prática, mantendo assim níveis positivos de identificação com a prática, manutenção de clientes, crescimento pessoal e comercial do ginásio, integração do comportamento desportivo do cliente e comportamento social e humano do ginásio.

Em suma, promovendo uma identificação, desenvolvemos relações.

Eduardo Ramos

eduh_ramos@hotmail.com

Mestre em Psicologia do Desporto e Exercício pela ESDRM.

João Moutão

jmoutao@esdrm.ipsantarem.pt

Professor Adjunto no Instituto Politécnico de Santarém

Luís Cid

luiscid@esdrm.ipsantarem.pt

Professor Adjunto no Instituto Politécnico de Santarém