Auto-diálogo durante 1500m a nadar

O auto-diálogo distingue os atletas de sucesso. A nossa mente efetua e responde constantemente a perguntas de nós próprios. Os pensamentos podem ser vistos como perguntas que a nossa mente nem sempre responde da forma mais positiva possível, levando por vezes representações internas da realidade pouco favoráveis a uma boa performance física. Por isso recomendo que nos próximos treinos estejam atentos ao vosso diálogo interno, à forma como falam com vocês próprios para posteriormente verificarem como podem alterar para uma linguagem mais poderosa. Na piscina é mais fácil estarmos focados no inner game. Após ter realizado 1500m numa piscina de 50m, resolvi registar algumas frases que no final ainda recordava terem soado na minha cabeça durante um treino matinal antes de lecionar um curso fantástico de personal training em Viseu há uns meses atrás.

Da última vez fiz 1km. Que tal se fizesse 1500m hoje? Não sei. Dormiste pouco… Vamos lá! Vamos fazer 500m para já! Que fria está a água!

[Piscina quase vazia. Tem uma pessoa na pista um e as do meio estão livres.] Melhor! O tipo que está a nadar é pró! Vamos lá começar. Siga!

[Primeiras braçadas.]

Sinto frio. Ainda bem que hoje trouxe estes calções. Deslizam melhor! Ainda estou a meio da piscina. Quando fica escuro não gosto e esta piscina é metade escura na zona mais profunda. Vai! Respira! Bandeirinhas! Estou a chegar!

[Mão na berma. Apoiado no muro.]

Vamos! Respira 4 vezes e continua!

Cá vou eu. Vou-me concentrar na rotação dos ombros. Roda, roda, roda…

[Engasguei.] Tosse! Tosse que isso sai. Continua.

Corda!

Bandeirinhas!

Fundo claro! Estou perto da margem.

Vou contar as piscinas de 2 em 2. Para 1500m tenho de fazer 15. Cum carago! Mais duas e tenho 500m. Sinto-me bem. A respiração está controlada!

Vou contar braçadas nos segundos 500m. Se calhar não. É tão grande a piscina!

Bandeirinhas! Estou a chegar.

4 respirações… Vamos lá!

500m! Respiro 8 vezes fora de água.

Aquele tipo nada que se farta! Ainda bem que não salpica! Esta piscina é um espetáculo! A água afinal está boa!

Mais 2 piscinas. Vamos!

Vou meter a mão logo acima do ombro mas não tão à frente. Ora vamos lá!

Mais 50m Vira!

Tive uma ideia! Vou deslizar os dedos da mão na recuperação da braçada. Isso mesmo!

Descontrai! Solta o braço!

Vou contar braçadas.

Ai! Nem a meio cheguei. Mas 1000m faço de certeza.

Não comi nada. Será que posso desmaiar dentro de água? Esquece! Continua! Estás bem!

Já fizeste mais de metade.

Mais 4 piscinas e fazemos 1km!!!

Desliza! Desliza! Desliza!

Quando chegar aos 1000, começo outra piscina. Tenho tempo antes do curso.

1km!!!

Respiro 4 vezes e avanço.

Já estou nos últimos 500m!!!

Desde o tempo em que nadava em Espanha que não faço 1500m. Energia!!!

Faltam 3x50m! 3 voltas vá!

Vou chegar ao fim!

Com calma! Conta braçadas. 1…, 2…, 20… Acho que já passei do meio da piscina porque isto está mais escuro. Não pode ser. Costumo fazer quase 60 braçadas por piscina. Hummm!!! 46… Aqui está o T!… 48!!! 48 braçadas! 4 respirações e siga!

Desliza! Desliza! Desliza!

Vou ver quanto demoro a fazer as últimas 2.

Respira! Respira! Respira! Vamos!!!

Bate pernas agora!

Tempo! 1’10”

Vou respirar 10x e dar o máximo agora. É a última por isso posso cair para o lado :)

57 segundos!!! Excelente! Abaixo de 1min. E sinto que podia ir mais rápido :)

Consegui!

Maluqueira era fazer a minha idade em burpees como faço no final das corridas longas. Eh! Eh!

Não! isso é muito!

Cala-te e começa! Vai!

1! Mãos no chão, salto para trás… Flexão de braços… Salto para a frente e salto para cima! 2!…

Aos 24 paro! Cala-te e segue devagar!

24! Páro!

Mais 20. Vamos Paulo! No Verão fazias 100 todos os dias em séries de 20! Na boa!

1…

2…

3…

20!

[Termino fisicamente desgastado mas cheio de energia mental para liderar um grupo de formandos durante 7h :) ]

 

Obrigado alunos!

Em quase 20 anos de ensino de educação física, tive pela primeira vez a oportunidade de lecionar aulas aos mesmos alunos durante 3 e 5 anos consecutivos em alguns casos. Depois de passar por 10 escolas bem diferentes umas das outras em termos de condições, formas de funcionamento e sobretudo ambiente social e de trabalho, “pousei” na Escola Secundária Dr. António Granjo onde no meio desta confusão educativa que vivemos, com adolescentes a permanecerem mais de 32h na escola, com o reduzido número de horas dedicadas à educação física com extensos programas desfasados da realidade do mundo e ausentes de uma visão de futuro, em tempos de crise financeira, com imensos atentados à profissão de professor e à disciplina de educação física, no meio de tanta incoerência estratégia em termos políticos, foi possível, dando sempre 100%, procurando estratégias diferentes, mas selecionando o essencial, os 20% que criam 80% de impacto na minha tarefa de professor, criar uma estrutura de exercícios que permitiu que a grande maioria dos alunos evoluísse nas técnicas básicas para jogarem um desporto coletivo bem como nas diversas capacidades como força, resistência e flexibilidade de forma a obterem melhores resultados e reduzirem a ocorrência de pequenas lesões. Com isso verificaram que a persistência na utilização de movimentos simples, leva quase sempre ao êxito no passe, no lançamento, na corrida, na diminuição da fadiga e no elevado orgulho de… Ser Capaz! Com isso se eleva a auto-estima e diminui o stress pelo controlo que os alunos passaram a ter ao realizarem os típicos movimentos das aulas de educação física.

Agradeço aos alunos que se esforçaram por cumprir as tarefas e que foram moldando os seus comportamentos ao longo dos anos, passando de crianças a adolescentes e posteriormente a jovens bem preparados fisicamente, o que lhes permitiu desfrutar melhor das atividades desportivas recreativas e competitivas, bem como adquirir melhores posturas, maiores níveis de energia e todos os benefícios inerentes à prática da atividade física regular. Vi alunos passarem de gordos a magros, de mal comportados a exemplares, vi alunos que não faziam aulas e que passaram a fazer 50 burpees e 100 agachamentos em amplitude total de movimento numa só aula. É verdade que alguns não revelaram evolução significativa, mas estiveram presentes e apenas o futuro dirá qual o impacto que estas horinhas de corridas, saltos, flexões de braços, exercícios abdominais e centenas e centenas de lançamentos na passada e toques de dedos na bola fizeram para os prepararem para a vida (se quiserem a minha opinião sobre o contributo da educação física podem ler).

Espero ter deixado o “bichinho” do exercício físico e da forma como se aplicam os princípios de treino, para futuramente os ver em qualquer parque, piscina ou ginásio a aplicar e ensinar boas práticas de incorporação da atividade física nas vidas das pessoas.

Os vídeos que tenho publicado no youtube e facebook, vou agora publica-los no meu site como forma de agradecimento ao empenho dos alunos, que alinharam na ideia do projeto de realizarem vídeos sobre condição física e saúde. Podiam fazer os mínimos, cumprir a tarefa para “passar”, mas optaram sempre pelo contrário: foram ambiciosos, dedicaram tempo a inúmeras filmagens, deslocaram-se para locais diferentes, entrevistaram pessoas, colocaram outros em movimento, foram buscar recursos humanos e materiais inicialmente ditos de impossíveis, chamaram familiares e amigos para ajudar, trabalharam em equipa, perceberam o que é a liderança e a força da comunicação, articularam pontos fortes e fracos dos vários elementos dos grupos, abriram as portas de casa, mostraram as localidades onde residiam de forma orgulhosa, mostraram-se ao mundo, escreveram guiões dignos de curtas-metragens e representaram com o pouco ou nenhum treino que tinham como atores e apresentadores, produziram-se a preceito para o momento, quebraram protocolos, “meteram entidades ao barulho”, ultrapassaram barreiras burocráticas, perderam a vergonha e foram para a rua, animaram a comunidade local, criaram IMPACTO, dedicaram-se sempre para fazerem melhor do que no projeto anterior, aprenderam a operar novos softwares, foram persistentes, foram competitivos consigo próprios, espelhando perfeitamente os valores da prática desportiva numa tarefa escolar. Fizeram a DIFERENÇA! Levam esta experiência no corpo sob a forma de memórias musculares, no coração pelas emoções vividas e a diversão marcante de cada momento que eles identificaram nas diversas cenas cuja edição deixou de fora. Para mim são um orgulho e dão-me a força para iniciar um novo ciclo com novos alunos, contrariando aquela sensação que temos quando começamos tudo de novo.

Para quem não não viu os vídeos, pode agora verificar aquilo que mencionei anteriormente. Para os restantes, eis agora a oportunidade de ver a força do Ginásio – G, o ginásio da António Granjo, porque os alunos são também o espelho do meu trabalho e do impacto positivo que conseguimos ter nos outros. Porque a educação de um jovem não se resume ao domínio cognitivo e mesmo nesse âmbito o movimento é uma ferramenta que poderá influenciar o rendimento.

Obrigado!

Lista dos vídeos do secundário

Lista dos vídeos do básico