Quando caminhar já não chega

Os médicos gostam muito de estimular as pessoas a caminhar ou a nadar. Movimentos que mobilizam grandes grupos musculares do corpo humano e assim obrigam o sistema cardiorespiratório (que é uma espécie de sistema de alimentação de combustível) a trabalhar a um ritmo mais elevado.

Um amigo dizia-me que seus Pais (curioso… Ocorre o mesmo com os meus Pais e outros familiares de meus amigos, com os meus Tios…) costumam caminhar uma hora por dia e que ao fim de algumas semanas deixaram de ver resultados ao nível funcional e de perda de peso. Porque será?

Falta de aplicação do Princípio de Sobrecarga. O corpo adaptou-se ao esforço, por isso agora têm de:

  1. Percorrer a mesma distância em menos tempo
  2. Manter o tempo de caminhada e percorrer uma distância superior

Simples!

Se continuarem a evoluir, terão eventualmente de começar a fazer jogging ou até correr para continuarem a estimular o seu corpo, pois o estímulo actual já não obriga seus corpos alterarem as suas estruturas para dar resposta ao estímulo de caminhar uma hora a determinada velocidade. Ou então… Se não desejarem ou não puderem efectuar movimentos com alto-impacto, terão de adicionar pelo meio uns… Agachamentos.

É bom sinal quando o corpo se adapta rápido a um estímulo. Neste caso o estímulo de caminhar. Adoro caminhar, mas posso fazê-lo durante horas sem que o meu corpo entenda isso como um estímulo que o obrigue a modificar-se. Por vezes caminhamos com o objectivo de recreação física, ou para fins de bem-estar psicológico. Nesse caso não temos de nos preocupar muito com a intensidade da caminhada, no entanto, acontece por vezes que, mesmo os benefícios psicológicos deixam de ocorrer porque necessitam também de um estímulo de intensidade óptima que varia de pessoa para pessoa. Logo, de uma forma ou de outra, para obter benefícios físicos ou psicológicos, a intensidade de esforço terá de variar positivamente. Com isto não quero esquecer os sociais. Caminhar e conversar é sempre algo muito benéfico e interessante, mas não podemos considerar uma forma de exercício físico que respeite os princípios de treino.

6 comentários em “Quando caminhar já não chega”

  1. Obrigado pelo seu comentário.
    É importante continuar a fazer a ponte entre a teoria e a prática, entre o ideal e o real. A ligação estreita entre os profissionais de saúde e de uma actividade profilática como o exercício físico, são fundamentais até para melhorar a produtividade do país 🙂
    Continuamos pois neste movimento para “movimentar” os Portugueses.
    Espero vê-lo por cá mais vezes.
    Cumprimentos,

  2. Por acaso sou médico , por acaso pratiquei atletismo de fundo, durante 30 anos e por acaso na minha prática clínica, recomendei algum exercício físico. Como médico de saúde pública, recomendo estilos de vida saudáveis, ficando ao critério de cada um adoptá-los ou não. Nunca fui muito exaustivo no assunto, pois por experiência, sei que é muito difícil mudar mentalidades em certos grupos etários e a certos grupos específicos. Colaborei muito em escolas no concelho onde trabalhei, pois acredito em mudanças na população jovem. Mas em total acordo com as recomendações de alguns meus colegas (poucos),para a prática de exercício físico. Cumprimentos.

  3. Boas,
    Eu gosto muito de médicos e nada tenho contra eles… a verdade é que muitas vezes me ponho a pensar se algum deles treina ou terá experiência no que toca a desporto. Caminhar é bom, mas junto a estradas e a um ritmo duvidoso, será que é assim tão bom? Outra clássica dos médicos, se sofre das costas o melhor é ir para piscina… não interessa se a pessoa sabe nadar ou não o que interessa é ir para dentro de água…
    Abraço.

  4. Passear caminhando é fantástico. Se a companhia for boa e a paisagem bonita, tanto melhor. Mas, quando se trata de exercício físico, respeitando princípios de treino, depende sempre do ritmo imposto. E… Para a maioria das pessoas que caminham regularmente, o ritmo implicaria ter dificuldades em conversar 🙂
    Mas é muito melhor do que ficar sentado no sofá. Brevemente apresentarei uma proposta relacionada com o sofá 🙂 Uma alternativa aos dias de mau tempo 🙂

    Obrigado pelos seus comentários. Espero continuar a vê-lo por cá.

  5. Olá Paulo!
    Gostei do comentário, resta dizer que grande parte das pessoas que dizem que vão caminhar no intuito de fazer exercício físico acabam por passear e ver a “paisagem”. O que não deixa de ser importante e acaba também por ser um ínicio.
    Cumprimentos.

Os comentários estão fechados.