As Minhas Reflexões Sobre a Elaboração de Um Programa de Treino: 1. O Exercício Físico Como Um Medicamento Sem Efeitos Secundários

Pelo menos uma coisa eu tive de aprender da forma mais difícil, aparentemente a única forma de que eu fui capaz de aprender alguma coisa, é que aquilo que resulta para mim, pode não resultar para ti; porque as pessoas são diferentes, e por isso têm necessidades diferentes. Algo que pode ser perfeito para mim poderia ser devastador para ti e vice-versa. Durante anos eu disse aos outros que deveriam treinar exactamente como eu para produzirem os melhores resultados, e funcionou bem para mim; quando não produziu resultados similares nas outras pessoas, eu culpava-as a elas pelo falhanço, acusando-as de não se esforçarem o suficiente, ou não acreditava que tinham treinado realmente da forma como diziam ter feito. Arthur Jones (My First Half Century in The Iron Game #17)…

A elaboração de um programa de treino é algo mais complexo do que uma simples receita de séries e repetições. Tal como dois cozinheiros levam à prática a mesma receita com resultados diferentes, também os alunos, atletas ou não atletas, reagem de forma diferente à mesma rotina de treino.

Não é meu objectivo neste texto dar receitas para elaborar um plano de treino, mas sim, abordar alguns princípios, alguns factores muito importantes que devemos ter em consideração para que as rotinas e processo de treino seja bem sucedido e para que os alunos tenham sucesso a longo prazo. Aliás, dar receitas é fácil, o difícil é passar da teoria à prática, o difícil é “cozinhar”.

Durante os últimos anos frequentei vários congressos e seminários onde em muitos deles ficava sempre patente uma ideia de especialização: o fisiologista explicava tudo através da fisiologia, o psicólogo atribuía as variações das performances desportivas aos aspectos psicológicos, o sociólogo teorizava sobre a interacção dos vários elementos de uma equipa entre si e da influência daí resultante em termos de desempenho do grupo, os homens dos suplementos falavam dos resultados dos seus produtos como se fossem doping sem ser doping. Raros eram aqueles que conseguiam integrar toda esta informação, pois a missão é muito complicada, tal como é a missão do treinador ao reunir informação do médico, do psicólogo, do capitão de equipa, dos dirigentes, dos media, do “preparador físico” e de outros especialistas que com ele possam trabalhar. Mas é fundamental que se considere o ser humano como uma unidade onde todas estas facetas interagem entre si em vez de o considerarmos como um conjunto de aspectos que podemos trabalhar separadamente ou como muitos consideram: o homem máquina.

1. O Exercício Físico Como Um Medicamento Sem Efeitos Secundários
O Dr. Doug McGuff (1998), médico ligado ao treino de força, vê o exercício físico como um forte medicamento e recomenda a procura da quantidade óptima de exercício, bem como da frequência certa, tal como fazem os investigadores quando inventam uma nova droga. Para ele, esse processo de descoberta deveria ser capaz de produzir uma prescrição de exercício que fosse de grosso modo apropriada para a maioria da população.

Se confrontássemos esta filosofia com a abordagem dos autores e praticantes que advogam a quantidade em vez da qualidade, certamente iríamos encontrar grandes diferenças. Mas, independentemente da metodologia utilizada dar mais ênfase ao volume de exercício ou à intensidade, todos devem seguir os princípios básicos da fisiologia do stress, verificando quantas vezes se treina – frequência, se levanta pesos cada vez mais pesados para se tornar forte – sobrecarga e se os resultados acontecem em termos de aumento de força e tamanho (adaptação). A aplicação e medição desses princípios é que determinam o sucesso de um programa de exercício físico com base nas necessidades, tolerâncias e objectivos individuais (IART, 2001).